Paraná para Amar - 16-11-2020



Vacina X remédio


Segundo previsões da taróloga Celina Horta, a pandemia deflagrada pelo covid-19 deve ser combatida pelo advento de um medicamento e não por meio de vacina, como o mundo inteiro especula. A perspectiva foi publicamente partilhada durante entrevista ao vivo, realizada por mim, ontem, através do Instagram. Entre outras coisas, Celina também previu a ascensão das mulheres para a retomada da economia, através de pequenos negócios. A taróloga adiantou também a possibilidade de conflito nos EUA, além de uma onda de bebês natimortos, em decorrência da pandemia, durante 2021. Essas e outras informações podem ser checadas em detalhes no feed do @raquelmedandrade.



Superinteressante


Do BR para o mundo


Já o tarólogo Rasmi Kai antecipou que a recuperação econômica no BR deve se tornar mais expressiva em setembro de 2021. Ele também especificou que a ascensão feminina mencionada pela colega ganhará forma de numerosas franquias brasileiras com potencial para internacionalização. Já estamos na torcida para que esta parte da previsão se concretize. Afinal, se o mundo consome harmbúrger tão vorazmente, já está na hora de fazer o mesmo em relação à deliciosa tapioca brasileira, por exemplo.



Z1 Portal


Soma


O apresentador Mário César Simões já pensa em um formato ideal para levar ao público a soma que o mesmo Rasmi Kai, tarólogo que acabamos de mencionar na nota acima, levará ao programa Festas. A atração concebida por Simões contará com a orientação astral de Kai, para os entrevistados. Em tempos como os atuais, todo o direcionamento é bem-vindo! A coluna já comemora a novidade, que deve ser implementada em breve!




Foto: Cla Ribeiro



Novidades


Também conversei com cerimonialista Ricardo Stambowisk, que passeou pelos quase quarenta anos de exercício da profissão para partilhar com o público como tem lidado com os efeitos da pandemia em seu trabalho. Além de falar do miniwedings ou casamentos festejados apenas por quantidade limitadíssima de pessoas, ele relembrou do polêmico “cordão de isolamento” usado em torno da mesa de doces, comemorando o fato disto ter caído em desuso. Já sua colega, a doceira Vlady Dassa, partilhou a novidade suscitada pela pandemia, o cubo de cristal. A caixinha transparente é usada para embalar cada doce individualmente, garantindo o respeito às medidas sanitárias, enquanto mantém a beleza da decoração construída através da famosa mesa de doces.


Veja


CWB Gourmet


Por falar em festas, recebi uma degustação com todos os sabores de brownie oferecidos pela marca Olenka Brownie. Quem me conhece de perto bem sabe o motivo que fez evitar o doce até agora. Sou fidelíssima aos doces clássicos franceses, especialmente em momentos festivos. Mas, minha profissão me convida a vencer tabus questões pessoais e conhecer o mundo para além do meu universo particular. Foi o que fiz com os brownies com recheios de nozes, nutela, brigadeiro branco, maracujá e limão. Esses dois últimos criaram algo que considero exótico, com um toque de identidade nacional ao doce estadunidense, já que a mistura conseguiu equilibrar a massa mais densa típica de brownie com sabores frutados e, por isso, mais leves, além de aromáticos. O resultado final desses dois sabores que destaco aqui é interessante e também merecedor de participar de celebrações, inclusive das minhas! Então, posso dizer que foi um prazer conhecer os produtos da marca, salientando que todos os demais sabores que recebi foram super bem executados também, a despeito de não me despertarem paixões.



Foto: Cla Ribeiro

Você conhece a Toninha?


A franciscana ou toninha, prima dos golfinhos, é endêmica da América do Sul e sua distribuição vai do Espírito Santo ao Uruguai. A espécie está sob ameaça de extinção (Vulnerável, segundo a IUCN – International Union for Conservation of Nature). A estimativa é de que restem cerca de 20.000 indivíduos no Brasil, uma redução de 30% nos últimos 36 anos. Devido ao rostro (bico) comprido e fino e à sobreposição no uso da zona pesqueira, a principal ameaça à sua conservação é a pesca fantasma, isto é, a pesca acidental ou emalhe. A perda de habitat e a poluição marinha são outros perigos. A perda de uma só espécie desequilibra a teia alimentar e é nociva ao ecossistema. A perda da toninha seria ainda mais impactante, pois a espécie é a única representante da sua família (Pontoporiidae), e seu desaparecimento seria lastimável para a biodiversidade do planeta. O Paraná está na área de abrangência do projeto Conservação da Toninha, iniciativa do FUNBIO (Fundo Brasileiro para a Biodiversidade). Contribuição da Dra. Ana Paula B. Moreira, bióloga e pesquisadora na UFRJ.


Infoescola

raquelmedandrade@gmail.com

Insta: @raquelmedandrade

41 99108-6401

39 visualizações

2020  -                                      CLA Magazine  Todos os Direitos Reservados